TryEngineering.org: Discover the creative engineer in you. Accreditation.org: The ultimate resource for engineering, computing and technology accreditation. TryNano.org: Nanotechnology for a wider audience.  
         TryEngineering.org > A vida de um engenheiro > Engenharia Elétrica, Estados Unidos
Discover the creative engineer in you
Life of an Engineer
Torne-se um engenheiro
A vida de um engenheiro
Conheça engenheiros profissionais
Sociedades de engenharia
Especialidades de engenharia
Química
Civil
De computação
Elétrica
Mecânica
Mais...
Especialidades de tecnologia de engenharia
Química
Civil
De computação
Elétrica
Mecânica
Mais...
Renee Dorsey (Engenharia Elétrica, Estados Unidos)
Estudante, Drexel University

Renee Dorsey
Renee está cursando um Bacharelado e um Mestrado em Engenharia Elétrica com área de concentração em Eletrônica de Radiofreqüências, na Drexel University


Não é necessário já ter tudo planejado antes de começar a faculdade, especialmente se você for um estudante de engenharia. Decidir que campo da engenharia ou que tipo de trabalho você deseja são decisões que podem ser feitas mais tarde. Uma coisa que eu descobri é que você nunca perde com um diploma de engenharia.





P: Quando você descobriu que queria ser uma engenheira?
Dorsey: Eu comecei meus estudos em física. Eu gostava das aulas a que estava assistindo naquele tempo e comecei a trabalhar em um laboratório de física da universidade, onde estavam sendo realizadas muitas pesquisas interessantes. Foi lá que eu percebi que, embora estivesse fascinada pelo campo e pela pesquisa, minha educação (principalmente na pós-graduação) seria principalmente teórica e extremamente especializada. Eu mudei para engenharia porque os assuntos abordados eram muito mais diversificados e as opções que eu teria depois da graduação seriam maiores. Virar uma estudante de engenharia elétrica foi a opção certa para mim. Eu ainda sou capaz de satisfazer minha curiosidade sobre o mundo físico ao meu redor, especialmente em relação à eletricidade e ao magnetismo, que foram os assuntos que mais me interessaram em minhas aulas de física, mas eu também sou capaz de trabalhar em uma série de projetos interessantes, do design até a conclusão.

P: Como é sua experiência de faculdade em termos do tempo que você precisa estudar por dia?
Dorsey: O tempo que eu preciso estudar varia a cada dia, e cada estudante tem seu próprio jeito, que funciona melhor para ele. Para mim, é mais útil se eu devotar aproximadamente de 3 a 4 horas por dia, para me manter atualizada com o material de aula. Durante a época de provas eu gasto um pouco mais de tempo. Ir bem em uma disciplina significa mais do que tirar notas altas nas provas. Às vezes, simplesmente 'rachar' de estudar no final do semestre pode fazer isso. No entanto, eu acho que é muito mais gratificante ter a melhor compreensão do material que eu puder e fazer isso preparando o que será abordado em cada aula antes dela, e então passando tempo após a aula revendo o que foi visto. Isso pode ser um pouco pesado quando se faz de 5 a 6 disciplinas por período, o típico. Mas é definitivamente uma maneira melhor de reter as informações e de ser capaz de lembrá-las muito depois que a matéria acabou.

P: Você está tendo também experiências de trabalho enquanto é estudante? Estágios, programas de cooperação ou qualquer outro emprego enquanto está fazendo o curso?
Dorsey: Desde que entrei na faculdade, tive vários empregos e participei de vários programas de cooperação. Eles incluem trabalhar em laboratórios, fazendo pesquisa, e programas de cooperação com a indústria. Eu tenho trabalhando em algum tipo de laboratório fazendo pesquisa desde o início da minha carreira escolar e estou atualmente participando de um programa de cooperação em uma firma de engenharia arquitetônica, em seu departamento de eletricidade.

P: Como você se preparou para a experiência de cursar uma faculdade?
Dorsey: Eu não entrei na faculdade imediatamente depois de concluir o ensino médio. Quando eu efetivamente decidi fazer faculdade, comecei em um 'community college' local, que tinha um grande programa de transferência com diversas universidades em minha área. Foi aí que eu comecei meus estudos em física. Antes de fazer a transferência, eu havia decidido que queria estudar engenharia, por isso eu me transferi para uma escola da área que é conhecida por ter um excelente programa de engenharia.

P: Você teve/tem um mentor que ajudou a orientá-la até aqui? Se sim, descreva o impacto dessa pessoa em sua educação e planos de carreira.
Dorsey: Eu não tive um mentor, mas desenvolvi relacionamentos com diversos professores e alunos de pós-graduação que me foram muito benéficos. É útil ter alguém com quem conversar sobre disciplinas recomendadas, oportunidades de pesquisa, campo de estudo e desafios pessoais como estudante. Pessoalmente, eu não tenho uma pessoa que me orientou em todas as áreas, mas diversas de quem eu recebi orientação em áreas específicas.

P: Há uma área de especialidade em que você se concentrou na engenharia? Se sim, qual é, e como você optou por essa especialidade? Além disso, em que ponto de sua experiência de faculdade você decidiu?
Dorsey: Eu estou estudando engenharia elétrica com áreas de concentração em eletrônica de radiofreqüências e processamento de sinais digitais. Eu decidi por essas especialidades durante meu terceiro ano (dos cinco) devido ao fato de que achei essas disciplinas as mais interessantes, e carreiras nessas áreas parecem se encaixar bem comigo.

P: É difícil conciliar seus estudos de engenharia com outras atividades, como lazer, viagens, diversão?
Dorsey: Às vezes é difícil encontrar um equilíbrio como estudante de engenharia. Eu acho que é geralmente mais difícil nos dois primeiros anos de faculdade, pois as disciplinas são voltadas a um amplo leque de conceitos básicos. A experiência da faculdade também é algo novo e há muito a prender sobre você mesma como estudante e o que funciona melhor para você. Para mim, tive de 'correr atrás' bastante, porque não fiz as disciplinas preparatórias no ensino médio e não planejava estudar engenharia. Os dois primeiros anos foram difíceis e eu passei muito tempo estudando e fazendo sacrifícios, tais como passar menos tempo com amigos e não me envolver em atividades escolares extracurriculares. Mas valeu a pena para mim, e eu fiquei muito empolgada com tudo o que estava aprendendo. Agora eu tenho um equilíbrio muito melhor. Estou entrando em meu quarto ano (de cinco) e, embora as disciplinas sejam, na prática, mais difíceis, eu aprendi maneiras de estudar e aprender que são mais eficazes e que aproveitam melhor o tempo. Agora eu participo de diversas organizações na escola e consigo separar tempo para viajar e ter uma vida social melhor.

P: Você estuda mais em equipe ou sozinha? Você tem alguma preferência quanto a isto?
Dorsey: No começo do meu curso, eu preferia estudar sozinha. Isso ainda funciona bem para mim. No entanto, eu percebi muitos benefícios em suplementar o estudo individual com estudos em grupo. Em um grupo, muitas vezes algumas pessoas podem saber mais ou menos sobre um assunto específico. Eu acho que eu realmente entendo uma coisa se for capaz de explicá-la a outra pessoa, e isso me ajuda a colocar o material que estou aprendendo em minhas próprias palavras. Além disso é útil trabalhar em grupo, porque cada pessoa tem a sua própria maneira de entender o material e eu tenho aproveitado essas perspectivas diferentes da minha.

P: Qual é a coisa mais difícil que você descobriu sobre sua experiência de faculdade, estudando em um curso de engenharia?
Dorsey: Muitas vezes, eu descubro que passei muito tempo aprendendo e tentando descobrir alguma coisa antes de finalmente entender um novo assunto. Às vezes essas horas gastas onde elas não parecem levar a nada pode ser algo extremamente frustrante. No entanto, eu descobri que isso é uma parte necessária do aprendizado para mim e, se não desistir, eu eventualmente acabo entendendo. Essas horas em que nada está funcionando ou em que parece que eu não consigo descobrir a resposta certa são as ocasiões em que eu mais aprendo: esses períodos nunca são uma perda de tempo.

P: Qual é o aspecto mais gratificante de fazer um curso de engenharia?
Dorsey: Os aspectos mais gratificantes de ser uma estudante de engenharia são as formas desafiadoras e criativas como eu sou capaz de aplicar os assuntos técnicos e teóricos que estou aprendendo em problemas úteis e práticos do mundo real. Os engenheiros têm a capacidade de melhorar a sociedade de diversas formas, e eu acho isso muito gratificante.

P: Você acha que continuará a estudar engenharia ou pensa em mudar para outra área? Por quê?
Dorsey: Eu certamente continuarei a estudar engenharia. Eu ainda acho a área extremamente interessante e não há limite do que eu posso aprender e as diversas maneiras em que ela pode ser aplicada.

P: Você tem alguma idéia de que tipo de indústria gostaria de atuar ou de trabalho que você gostaria de fazer quando se formar? Se sim, como decidiu por essa indústria ou campo?
Dorsey: No momento eu gostaria de trabalhar para uma empresa de telecomunicações internacional, atuando em engenharia de radiofreqüência.

P: Você acha que fará outros cursos depois de concluir este que está fazendo? Por que ou por que não?
Dorsey: Atualmente eu estou estudando para um diploma duplo de bacharelado/mestrado. Eu ainda não decidi se quero ficar para um doutorado.

P: Você acha que a escola vai prepará-la para como as coisas são feitas no mundo real?
Dorsey: A escola prepara alguém para pensar como um engenheiro e ter uma ampla variedade de ferramentas à disposição para resolver um problema. A escola também ensina como aprender coisas novas rapidamente e como trabalhar em equipe. Estas são as habilidades de que eu definitivamente precisarei na indústria, embora eu possa não usar todas as tecnologias e informações específicas aprendidas em sala de aula.

P: Para quantas escolas de engenharia você se inscreveu? Em quantas você foi aceita?
Dorsey: Eu só me inscrevi para uma e fui aceita por ela.

P: Você tinha uma primeira opção? Você foi aceita nessa primeira opção?
Dorsey: Eu só me inscrevi para uma faculdade e fui aceita por ela.

P: Como você decidiu qual faculdade/universidade cursar?
Dorsey: A escola que escolhi tinha uma reputação de ser um excelente curso de engenharia está envolvida em muitas pesquisas interessantes.

P: O que os estudantes de nível médio deveriam fazer para se preparar para desempenhar as tarefas que os estudantes de engenharia realizam?
Dorsey: Eu sugeriria fazer quaisquer disciplinas de cálculo, física e química preparatórias para a faculdade oferecidas no ensino médio (e, mais importante, todas as disciplinas de matemática que estiverem disponíveis). Essas disciplinas vão dar ao estudante uma enorme vantagem em seu primeiro ano de estudo de engenharia em uma universidade. Além disso, muitas universidades oferecem programas de férias para alunos do ensino médio, onde eles podem cursar disciplinas, participar de tarefas de laboratório e conversar com estudantes universitários e professores de diversas áreas.

P: Que outros conselhos você daria para os estudantes de nível médio?
Dorsey: Não é necessário já ter tudo planejado antes de começar a faculdade, especialmente se você for um estudante de engenharia. Decidir que campo da engenharia ou que tipo de trabalho você deseja são decisões que podem ser feitas mais tarde. Uma coisa que eu descobri é que você nunca perde com um diploma de engenharia. Uma educação em engenharia é extremamente diversificada, criativa e gratificante, e o prepara para muitos outros campos, caso mude totalmente de idéia. No entanto, caso permaneça na engenharia, existe um leque ilimitado de carreiras a escolher, desde empregos mais técnicos até a gerência de projetos. E, atualmente, há uma demanda tão alta por engenheiros que existem muitas opções lhe esperando quando você se formar.

Os perfis dos engenheiros são considerados idéias pontuais da carreira de cada indivíduo.


(Os perfis dos engenheiros do TryEngineering são fornecidos pelo
Sloan Career Cornerstone Center.)


home about contact us links sitemap disclaimer